A Jornada da Louca: livros inspiradores

Que livros você considera inspiradores? A Jornada da Louca é uma aventura divertida, Alice no País das Maravilhas com Harry Potter, mas enquanto escrevi o livro e pesquisei conceitos chave, inspirei-me numa bibliografia um tanto quanto excêntrica.

Misturei histórias e filosofias. Juntei insights penetrantes do oriente, fábulas do ocidente, fatos históricos, mitologias bíblicas, sonhos do inconsciente, conversas com conhecidos, conteúdos digitais.

Quis escrever o máximo de significados que descobria, a fim de que eles pudessem popular o reino da nossa psique e amplificar tudo que ali existe através da história da Louca.

Descubra abaixo os livros que fizeram parte da jornada de escrever a Jornada da Louca.

Mulheres Que Correm Com os Lobos

Livro escrito em 1992 pela contadora de histórias, psicóloga e escritora Clarissa Pinkola Estés. Muitas metáforas que ela coletou nas suas pesquisas acabaram ressignificados no livro A Jornada da Louca, como o inesquecível conto do Barba-Azul. Por escrever a partir de uma linguagem simbólica sobre arquétipos e experiências humanas universais, muitos dos seus trabalhos podem ser relacionados com os significados das cartas do tarô, as quais, por sua vez, inspiraram a narrativa do livro. O Capítulo “Poral dos Véus”, onde a Louca encontra a personagem Sacerdotisa, por exemplo, foi especialmente influenciado pela ideia da mulher selvagem, a essência e o conceito que Clarissa expõem em seu clássico.

O Poder do Mito

A épica entrevista que o jornalista Bill Moyers fez com Joseph Campbell nos estúdios do Star Wars em 1970 é repleta de conceitos e viagens mitológicas. Muitas delas influenciaram a Jornada da Louca, como a ideia de que os mitos são a música do universo, e de que as histórias podem provocar uma compreensão profunda sobre o mistério da existência. No capítulo “O Fruto Proibido”, usei como referência as explicações de Campbell sobre as histórias de Adão e Eva, e o conceito de masculino e feminino como energias.

O Homem, a Mulher e a Natureza

Escrito pela filósofo Alan Watts em 1960, no ápice da contracultura, trazendo conceitos de filosofias orientais, Taoísmo, Zen-Budismo, para analisar a sociedade ocidental. Na Jornada da Louca, o capítulo mais influenciado por Watts foi “A Sabedoria Secreta”, onde o personagem Eremita, o velho da montanha, vive em relação com a natureza numa experiência imersiva de iluminação. A Louca vivencia um dos conceitos básicos do taoísmo e também de ensinamentos budistas, a ideia de que existe um estado de vacuidade que não é vazio de sentido, mas que é permeado de um conteúdo que a mente desperta consegue compreender.

Jung e o Tarô: uma jornada arquetípica

Estudos e insights da psicóloga Sallie Nichols sobre o tarot de Marsella através de uma lente jungiana. Foi o principal guia de pesquisa e conteúdo para a elaboração da narrativa da Jornada da Louca. O livro faz um apanhado histórico e contemporâneo de cada uma das cartas do tarot, relacionando pinturas, poesias, filosofias, através de um olhar jungiano de inconsciente coletivo e intuitivo a fim de amplificar o significado de cada uma das cartas. É por isso que A Jornada da Louca pode ser também utilizada para aprender o significado das cartas do Tarot.

Alchemy: an Introduction to the Symbolism and the Psychology

Livro com o resumo das aulas de Marie Vonz Franz que influenciou praticamente todo o capítulo “O Alquimista”, assim como “Olhos de Estrela”, na Jornada da Louca. A partir de uma leitura jungiana sobre alquimia, Marie Vonz Franz faz um apanhado histórico da importância da alquimia para a compreensão da matéria do insconsciente e os principais símbolos que os alquimistas utilizavam na sua linguagem simbólica em relação ao mundo e a vida.

On the Nature of Psyche

Original do C.G. Jung, e a segunda parte do livro influenciou principalmente a ideia de que o Reino do Mundo dos Vivos, no qual a Louca adentra para procurar o sentido da sua vida, é uma metáfora para o reino da nossa psique, cheio de luminosidades. A ideia de que há lumens para serem acesos dentro de nós é uma da leitura que Jung fez de escritos alquimistas como o do próprio Paracelso, alquimista e médico que contribuiu muito para o que conhecemos como medicina hoje. Aliás, Paracelso é um dos personagens que a Louca encontra na sua jornada!

Subversive Spiritualities, How Rituals Enact the World

Estudo acadêmico da professora e ativista Frédérique Apffel-Marglin, que trouxe muitos conceitos que permeiam a concepção do livro: existe uma relação espiritual do ser humano com o seu entorno (pedras, agua, rios, objetos) que se perdeu com a modernidade. O que a Louca faz no livro é justamente resgatar essa possibilidade mágica de ver elementos sagrados a qualquer momento na sua jornada. Além disso, Apffel-Marglin faz um estudo de comunidades andinas, e muitas cosmologias da Jornada da Louca são resultados de minhas experiências com a cosmologia quechua.

The Book of Imaginary Beings

O reino para onde a Louca adentra é habitado por muitos seres fantásticos, alguns dos quais eu inventei, outros emprestei do livro de Jorge Luis Borges. Ele fez um apanhado delicioso sobre animais fantásticos que aparecem recorrentemente no mundo imaginário de autores e artistas. Serviu como um guia de inspiração para os animais que aparecem no caminho da Louca.


Quais os livros que você considera inspiradores? Conta nos comentários abaixo!

A Jornada da Louca é um livro independente. Inspirado nos arcanos maiores do tarô, convida-nos a explorar territórios desconhecidos dentro de nós mesmos através de uma aventura mística e divertida.

💫 COMPRE AQUI 💫

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s

%d bloggers like this: